domingo, 27 de novembro de 2011

PORTARIA Nº 063, da Presidência, 27 de novembro de 2011


O Presidente da Academia Acreana de Letras (AAL), no uso de suas atribuições legais,



RESOLVE



Nomear comissão composta por Carlos Alberto Alves de Souza, Francis Mary Alves de Lima e Manoel Mesquita, do quadro de efetivos da AAL para, receber as inscrições de chapas, que concorrerão aos cargos administrativos deste Sodalício, período de 2012 a 2013, conforme edital publicado , Arts. 22º ; 23º do Est. e 28º´ do R..I., da AAL, até as 15 horas do dia do pleito, 13 de dezembro de 2011. Informado o Presidente, este dará continuidade ao processo (Art.16 R. I.).


Leia – se e cumpra – se.


Registre – se


Publique – se


Cumpra – se



Clodomir Monteiro da Silva


Presidente

Edital de Convocação

ACADEMIA ACREANA DE LETRAS

Edital de Convocação

O presidente da Academia Acreana de Letras (AAL), no uso de suas atribuições estatutárias, CONVOCA os membros efetivos para participarem da Assembléia Geral; a realizar – se dia 13 de dezembro de 2011, às 17 horas, no Auditório da Casa da Cultura, Pernambuco n° 1026, Bairro Bosque, nesta cidade de Rio Branco, para deliberarem sobre o seguinte:

1 – Prestação de contas da Diretoria 2010 / 2011

2 – Designar 2012 Ano das Comemorações do 75º Aniversário da AAL 75º.

3 – Eleição e posse da diretoria para o Biênio 2012 / 13 .

Rio Branco, 27 de novembro de 2011


CLODOMIR MONTEIRO DA SILVA

Presidente da AAL

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Convidamos Vossa Senhoria

a comparecer à cerimônia conjunta de homenagens póstumas a serem realizadas amanhã dia 7 de novembro de 2011, às 17 horas, na Assembleia Legislativa do Acre,celebrando as vidas,de José Higino de Souza Filho, Omar Sabino de Paula e Jorge Kalume, fundadores e sucessores permanentes, brilhando nas posições que lhes pertencem em suas respectivas cadeiras .

Atenciosamente
Academia Acreana de Letras
Presidente

domingo, 24 de julho de 2011

Nota de Falecimento

A ACADEMIA ACREANA DE LETRAS, CONSTERNADA, COMUNICA O FALECIMENTO OCORRIDO NO RIO DE JANEIRO, NO DIA 22 DE JULHO DE 2011, DO ACADÊMICO OMAR SABINO DE PAULA, ADVOGADO, PROFESSOR, JORNALISTA, ESCRITOR, DEPUTADO FEDERAL, SENADOR E GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, LEGISLADOR, AUTONOMISTA, FUNDADOR NA CADEIRA 36 DESTE SODALÍCIO, TENDO SIDO SEU PRESIDENTE DE 1967 A 1987.


À FAMILIA ENLUTADA A SOLIDARIEDADE DESTE SILOGEU.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Academia Acreana de Letras empossa cinco novos membros


Imprimir E-mail
Rose Farias (Assessoria Fem)
27-Abr-2011
Solenidade de posse no Teatro Plácido de Castro contará com a exposição do renomado artista plástico Rodolfo Bader Filho

convite_.jpg
Glória Perez, Francisco Gregório Filho, Edson Ferreira de Carvalho, Moisés Diniz e Margarete Edul Prado Souza Lopes são os novos imortais da Academia Acreana de Letras
Na comemoração do Dia Internacional da Educação, a Academia Acreana de Letras (AAL) empossa cinco novos membros em cerimônia que acontece nesta quinta-feira, 28, às 20 horas, no Teatro Plácido de Castro. A solenidade contará com a exposição do renomado artista plástico Rodolfo Bader Filho. O evento conta com o apoio do governo do Estado, através da Fundação de Cultura Elias Mansour.

Glória Perez, Francisco Gregório Filho, Edson Ferreira de Carvalho, Moisés Diniz e Margarete Edul Prado Souza Lopes são os novos imortais da Academia Acreana de Letras, composta de 40 cadeiras, cada uma delas sob patronato, nos seus 74 anos de existência.

Os novos membros ocuparão as cadeiras de Geraldo Mesquita (10), Luiz Cláudio Castro e Costa (17), Francisco de Oliveira Conde (23), Fernando de Castela (25) e Josué Fernandes (32). Para o presidente da Academia Acreana de Letras, professor Clodomir Monteiro, o evento é de suma importância tanto para a entidade como para a sociedade acreana.

“É um momento ímpar para a Academia, por inovar e recompor seu quadro com esses novos membros. Além disso, celebramos a oportunidade de manter viva a chama do conhecimento e da tradição nesses 74 anos de existência da entidade”, disse.

Novos membros da AAL

Glória Maria Ferrante Perez - A escritora nasceu e viveu no Acre até os 16 anos. O pai, escritor e ministro de Justiça, Miguel Jerônymo Ferrante, e a família mudaram-se para Brasília, depois São Paulo e Rio de Janeiro. Cursou Direito e Filosofia na UnB, bacharelado e Mestrado em História (UFRJ). Começou a carreira de autora em 1979, no seriado ‘Malu Mulher’, da TV Globo. Sucessos no Brasil e exterior, ela recebeu nos Estados Unidos, do FBI e do DEA, prêmios pela campanha para auxiliar os dependentes químicos, enfocados na novela ‘O Clone’. Em: ‘Carmem’, de 1987, escreveu sobre Aids. Em ‘Barriga de Aluguel’, de 1990, tratou sobre a troca de bebês em maternidades.

Em Amazônia, de Galvez a Chico Mendes, avivou a saga acreana de se incorporar ao Brasil. Glória Perez escreveu também Partido Alto, Desejo, De Corpo e Alma, Explode Coração, Pecado Capital, América e Caminho das Índias, que ganhou o prêmio internacional Emmy, na categoria melhor novela. Glória Perez vai ocupar a Cadeira 10 como sucessora de Geraldo Gurgel de Mesquita.

Francisco Gregório Filho -
Rio-branquense, formou-se em Artes Cênicas. Ator, diretor, e gestor de artes. Professor de Leitura, Teoria e Prática (PUC/RJ). Criou participou e/ou iniciou os programas nacional de incentivo à leitura, Rede de Casas de Leitura. Ministra oficinas de formação de contadores de histórias, na primeira Secretaria Municipal de Leitura no Brasil. Presidiu a Fundação Cultural do Acre. Tem Título de Notório Saber pela PUC/RJ, Condecoração de Ordem ao Mérito do Livro pela Biblioteca Nacional; Pesquisador da UNESCO / PUC/RJ do quadro da BN – MINC, foi da equipe do Paço Imperial.

Seus livros: Passagem, 2003; Dona Baratinha e Outras Histórias, 2006; Oralidade afeto e cidadania e Práticas Leitoras, 2002; Pensar a Leitura: complexidade, organizado por Eliana Yunes; Jabuti sabe ler e precisa escrever, 2006, 2007; Guardados do Coração, Grávidas histórias -Histórias de mulheres do Brasil, 1998; Arraial Alheio, 2007; Ler e Contar, contar e ler, 2008 e 2011.

Edson Ferreira de Carvalho -
Nasceu em Bambuí, Minas Gerais, bacharel e mestre em Direito, respectivamente na Ufac e Universidade Federal de Santa Catarina, doutorando em Direito pela Universidade de Valência, Espanha. É pós-doutor em Direito pela Notre Dame University (USA). Graduado em Engenharia Agronômica, mestrado e doutorado em Fitotecnia na Universidade Federal de Viçosa. Master em Educação Ambiental (Espanha), especialista em Administração Universitária (Canadá) e em Direitos Humanos pela Universidade para a Paz, das Nações Unidas (Japão). Recebeu o prêmio internacional Gilles Boulet, da Inter-American Organization for Higher Education.

Foi Vice-Reitor da Ufac, fundador e diretor-presidente da Fundação Instituto da Biodiversidade e Manejo de Ecossistemas da Amazônia Ocidental. Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal de Viçosa e do Programa de Mestrado em Direito Ambiental da Universidade Federal do Amapá. Autor de artigos científicos e livros na área de Direito, orientou e co-orientou alunos de Mestrado e Doutorado, no Brasil e no exterior.

Moisés Diniz Lima - Neto de nordestinos de Riacho do Sangue, no Ceará, e índios ashaninkas, das margens do Rio Amônia, em Cruzeiro do Sul. Moisés Diniz é oriundo da Congregação dos Irmãos Maristas, onde professou os votos temporários de pobreza, castidade e obediência. É formado em Pedagogia pela Ufac. Aprendiz da luta na cidade acreana de Tarauacá, ajudou a organizar os sindicatos de trabalhadores urbanos e extrativistas, organizações comunitárias, juvenis, indígenas, de cultura e de mulheres. Vereador, vice-prefeito de Tarauacá e agora no segundo mandato de deputado estadual, sente-se mais para a poesia que é “nossa alma. herdada dos tempos imemoriais quando o homem ainda não havia se tornado lobo do semelhante”. A política, a seu ver, é a ferramenta necessária para vencer os lobos e lutar pela felicidade humana.

Margarete Edul Prado de Souza Lopes -
Nasceu em São Paulo (SP), mas foi criada desde criança em Tarauacá. Entre outros títulos e cargos: bacharela em Letras Clássicas (Rio de Janeiro), licenciada em Letras/Inglês pela (Ufac), mestra em Teoria da Literatura, Universidade Estadual de Campinas, doutora em Literatura Brasileira, Universidade Federal da Bahia. Coordenadora dos Cursos de Letras da Ufac, foi a primeira diretora do Centro de Educação, Letras e Artes, fundadora, e coordenadora em 11 anos contínuos, da Universidade Aberta da Terceira Idade.

Pesquisadora do CNPq, desde 1997, com trabalhos na área de Literatura, Gênero, Geração e Mitologia. Professora-adjunta, da Ufac, é coordenadora do Núcleo de Estudos de Gênero na Amazônia e dirige a Revista Seringal de Ideias. Publicou: artigos especializados e livros sobre as escritoras acreanas: Motivos de Mulher na Amazônia e Vozes Femininas da Floresta. E, para a UNB, o Ensino à Distância sobre História da Educação no Acre. Atualmente, orienta bolsistas de iniciação científica e do mestrado da Ufac.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

OS NOVOS IMORTAIS DA ACADEMIA ACREANA DE LETRAS

(Fonte: http://almaacreana.blogspot.com/2011/05/os-novos-imortais-da-academia-acreana.html)


No dia 28 de Abril último, a Academia Acreana de Letras realizou, no Teatro Plácido de Castro, em Rio Branco, a solenidade de empossamento de seus cinco novos membros. Os ‘novos imortais’ são: Francisco Gregório Filho, Edson Ferreira de Carvalho, Glória Perez, Moisés Diniz e Margarete Edul Prado de Souza Lopes. Os empossados ocuparão as cadeiras em que antes estavam Geraldo Gurgel de Mesquita (10), Luiz Cláudio Castro e Costa (17), Francisco de Oliveira Conde (23), Fernando de Castela (25) e Josué Fernandes (32).
Teatro Plácido de Castro
Foto: Val Fernandes

***

FRANCISCO GREGÓRIO FILHO
Francisco Gregório Filho é natural de Rio Branco (AC). Quando adolescente, foi para o Rio de Janeiro, onde se formou em Artes Cênicas (UNIRIO). Foi ator, diretor e produtor de peças teatrais, gestor de programas e projetos culturais nas áreas de música, rádio e teatro. Foi professor do Curso de Leitura, Teoria e Prática, promovido pela PUC/RJ. Na década de 1990 começou a se dedicar às questões da leitura, tendo sido um dos organizadores do Programa Nacional de Incentivo à Leitura, implantado em 1992, na Biblioteca Nacional (1992 a 1996). Desde então desenvolve oficinas de formação de contadores de histórias para educadores sociais, estudantes e profissionais de diferentes áreas.

Funcionário da Biblioteca Nacional, participou da equipe técnica do Setor Educativo do Paço Imperial, e de maio a outubro de 2010, iniciou a implantação da Secretaria de Promoção da Leitura de Nova Friburgo, estado do Rio de Janeiro, primeira secretaria municipal dedicada à leitura no país. Tem Título de Notório Saber pela PUC/RJ, Condecoração de Ordem ao Mérito do Livro pela Biblioteca Nacional; Pesquisador da UNESCO / PUC/RJ do quadro da BN-MINC. No Acre, criou a rede de Casa de Leitura.

Como contador de histórias, vem se dedicando especialmente a um repertório voltado para os contos populares brasileiros. Seus livros publicados procuram dar conta das muitas histórias vividas e escutadas pelo Brasil a fora. Entre outros trabalhos, escreveu os seguintes livros: Grávidas histórias - Histórias de mulheres do Brasil (1998); Lembranças amorosas (Global); Difícil Passagem (Santa Clara, 2003)); Dona Baratinha e Outras Histórias (Rocco, 2006); Ler e Contar, contar e ler - caderno de histórias (Letra Capital, 2008 e 2011).

-----------------

EDSON FERREIRA DE CARVALHO
O mineiro Edson Ferreira de Carvalho é natural de Bambuí. Além de ser Bacharel em Direito (UFAC, 1998) graduou-se em Engenharia Agronômica (UFV, 1984) e fez Mestrado (1986) e Doutorado (1990) em Fitotecnia na Universidade Federal de Viçosa (UFV). Fez cursos de capacitação na área de Ecologia Florestal na Universidade para a Paz, da Organização das Nações Unidas (Costa Rica) e na Universidade Austral do Chile, bem com de Monitoramento e qualidade ambiental e Direitos Humanos, na Universidade das Nações Unidas (Japão). Participou das seções de capacitação do Instituto Internacional de Direitos Humanos (Estrasburgo, França) e da Corte Internacional de Justiça (Haia, Holanda). É Master em Educação Ambiental pelo Instituto de Investigaciones Ecológicas (Espanha) e especialista em Liderança e Administração Universitária pela Inter-American Organization for Higher Education – Canadá. Cursou Pós-doutoramento na Universidade de Notre Dame (Estados Unidos), na área de Direitos Especiais, como bolsista do CAPES. Recebeu o prêmio internacional Gilles Boulet, da Inter-American Organization for Higher Education (OUI). É membro fundador e ex-Diretor-Presidente da Fundação Instituto da Biodiversidade e Manejo de Ecossistemas da Amazônia Ocidental (Fundação BIOMA). Foi Tutor do Programa Especial de Treinamento (CAPES) e Vice-Reitor da Universidade Federal do Acre. Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal de Viçosa e do Programa de Mestrado em Direito Ambiental da Universidade Federal do Amapá. Autor de artigos científicos e livros na área de Direito, orientou e co-orientou alunos de Mestrado e Doutorado, no Brasil e no exterior. Entre seus trabalhos estão os seguintes livros: Meio Ambiente & Direitos Humanos (Editora Juruá, 2005); Meio Ambiente como Patrimônio da Humanidade – Princípios Fundamentais (Editora Juruá, 2008), e Manual Didático de Direito Agrário (Editora Juruá, 2010).


-----------------

GLÓRIA PEREZ
Natural de Rio Branco, Glória Maria Ferrante Perez viveu no Acre até os 16 anos. O pai, escritor e ministro de Justiça, Miguel Jerônymo Ferrante, e família, mudaram-se para Brasília, depois São Paulo e Rio de Janeiro. Cursou Direito e Filosofia na UNB, bacharelado e Mestrado em História (UFRJ). Começou a carreira de autora em 1979, no seriado ‘Malu Mulher’, da TV Globo. Em 1983, ela deu sequência a minissérie ‘Eu Prometo’, de Janete Clair, depois de a titular ficar doente. Sucessos no Brasil e exterior, ela recebeu nos Estados Unidos, do FBI e do DEA, prêmios pela campanha para auxiliar os dependentes químicos, enfocados na novela ‘O Clone’. Em: ‘Carmem’, de 1987, escreveu sobre Aids. Em ‘Barriga de Aluguel’, de 1990, tratou de troca de bebês em maternidades. Homossexualismo, deficiência visual, cleptomania, islamismo, foram outros temas. Em ‘Amazônia, de Galvez a Chico Mendes’, aviva a saga acreana de se incorporar ao Brasil. Glória Perez escreveu também ‘Partido Alto’, ‘Desejo’, “De Corpo e Alma”, ‘Explode Coração’, ‘Pecado Capital’, ‘América’, que ganhou o prêmio internacional Emmy, na categoria melhor novela. ‘Caminhos das Índias’ e ‘O Clone’ foram adaptadas para versões latinas: ‘Camino a las Índias’, na TV Azteca e ‘El Clon’, na Telemundo. É co-autora do livro de poesias Mercado de Escravas (Achiamé, 1984).

-----------------

MOISÉS DINIZ
Moisés Diniz é neto de nordestinos de Riacho do Sangue, no Ceará, e índios Ashaninkas das margens do Rio Amônia, em Cruzeiro do Sul, no Acre, um pequeno pedaço de terra amazônica que, para se tornar brasileira, pegou em armas na Revolução Acreana. Moisés Diniz é oriundo da Congregação dos Irmãos Maristas, aonde chegou a professar os votos temporários de pobreza, castidade e obediência. É formado em Pedagogia pela Universidade Federal do Acre. Aprendiz da luta em Tarauacá, cidade acreana aonde se estabeleceu em 1985, aí ajudou a organizar sindicatos de trabalhadores urbanos e extrativistas, organizações comunitárias, juvenis, indígenas, de cultura e de mulheres. Foi eleito vereador e vice-prefeito em Tarauacá e, atualmente, exerce o terceiro mandato de deputado estadual. Moisés Diniz, como ele mesmo diz, está mais para a poesia do que para a política. “A poesia é a nossa alma que herdamos dos tempos imemoriais quando o homem ainda não havia se tornado lobo do semelhante. A política é a ferramenta necessária para vencer os lobos e lutar pela felicidade humana”. Entre outras obras, escreveu: Exclamações Populares; Bandeira Gêmea e O Santo de Deus (Edições Bagaço, 2009).

----------------

MARGARETE EDUL PRADO DE SOUZA LOPES
Margarete Edul Prado de Souza Lopes nasceu em São Paulo (SP), mas foi criada desde criança em Tarauacá (AC). Entre outros títulos e cargos é bacharel em Letras Clássicas (Rio de Janeiro), licenciada em Letras/Inglês pela (UFAC), mestra em Teoria da Literatura (Universidade Estadual de Campinas) e doutora em Literatura Brasileira (Universidade Federal da Bahia). Coordenadora dos Cursos de Letras da UFAC, foi a primeira diretora do Centro de Educação, Letras e Artes, fundadora, e coordenadora por 11 anos contínuos, da Universidade Aberta da Terceira Idade. Pesquisadora do CNPq, desde 1997, com trabalhos na área de Literatura, Gênero, Geração e Mitologia. Professora-adjunta, da UFAC, é coordenadora do Núcleo de Estudos de Gênero na Amazônia e dirige a Revista Seringal de Ideias. Publicou: artigos especializados e livros sobre as escritoras acreanas: “Motivos de Mulher na Amazônia” (EDUFAC, 2006) e “Vozes Femininas da Floresta”. E, para a UNB, o “Ensino à Distância sobre História da Educação no Acre”. Atualmente, orienta bolsistas de iniciação científica e do mestrado da UFAC.

***

domingo, 1 de maio de 2011

Posse dos novos membros da AAL - Fotos Edison Caetano

Academia Acreana de Letras

A emoção marcou a posse dos novos membros da Academia Acreana Letra (AAL), no Teatro Plácido de Castro. Glória Maria Ferrante Perez, Francisco Gregório Filho, Edson Ferreira de Carvalho, Moisés Diniz Lima e Margarete Edul Prado de Souza Lopes se emocionaram diante de uma platéia composta por jornalistas, políticos, escritores, intelectuais e familiares.
Os empossados ocuparam as cadeiras de Geraldo Mesquita (10), Luiz Cláudio Castro e Costa (17), Francisco de Oliveira conde (23), Fernando de Castela (25) e Josué Fernandes (32). Fotos de Bel Caetano











Fonte: http://edisoncaetano.blogspot.com/2011/05/academia-acreana-de-letras.html

terça-feira, 12 de abril de 2011

Academia Acreana de Letras participa de encontro em Rondônia

Academia Acreana de Letras participa de encontro em Rondônia Imprimir E-mail
Jannice Dantas
12-Abr-2011
Evento binacional teve objetivo de debater cultura, história e linguagem da região

dsc06593.jpg
dsc06616.jpg
O governo do Estado do Acre se fez presente ao evento através do diretor-presidente da Fundação de Cultura Elias Mansour, Dircinei Souza (Foto: Janice Dantas)

A Academia Acreana de Letras participou do I Encontro Cultural da Fronteira Brasil/Bolívia, nos dias 8 e 9 na, cidade de Guajará-Mirim (RO). Com o tema “A Literatura, a História e a Cultura que nos Unem”, o encontro debateu o assunto, exaltando os chamados “Heróis Guaporés”, ou seja, aqueles que se destacaram pela liderança de causas em favor do município. Para isso, contou com palestras com questões voltadas à realidade local e fronteiriça.

A cerimônia de abertura aconteceu na sede do Clube Boinas Rajadas, com apresentações de grupos folclóricos e cantores da Bolívia e do Brasil. A organização ficou por conta da Academia Guajaramirense de Letras, Academia de Letras de Rondônia e Sociedad de Escritores de Guayaramerín, da Bolívia.

Para a professora da Universidade Federal de Rondônia (Unir), Auxiliadora dos Santos, o encontro foi importante, pois Guajará-Mirim, que conta hoje com aproximadamente 50 mil habitantes, foi o berço da cultura de Rondônia. “Estamos valorizando e reconhecendo a história da região, já que temos poucas possibilidades de discutir essas temáticas”, afirmou.

O governo do Estado do Acre se fez presente ao evento através do diretor-presidente da Fundação de Cultura Elias Mansour, Dircinei Souza. “O nosso governador Tião Viana valoriza a cultura. Por isso, estamos aqui, proporcionando a integração das Academias de Letras dos Estados do Acre e Rondônia e de nossa vizinha Bolívia. Queremos estreitar esses laços. Já que o artista, seja de qual segmento for, precisa sentir-se respeitado pelo que é capaz de fazer. Queremos contribuir ainda para estimular e incentivar o ideal dessa juventude presente”, ressaltou.

Para José Lúcio Cavalcanti de Albuquerque, presidente da Academia de Letras de Rondônia, é preciso mostrar que a Amazônia não é só natureza. Por isso é fundamental que se incentive a leitura para que haja gosto pela escrita.

Melissa Vilanga Moreira, recém-formada, mostrou-se bastante empolgada com o evento. “É importante que realmente ocorra esse incentivo e que essa aliança estabelecida entre Brasil e Bolívia seja mais que utopia fraternal, mas sim uma realidade praticada”, disse.

“Esse intercâmbio de informações com o Estado e o país vizinho é fundamental para o enriquecimento da cultura. Por isso, gostaria de agradecer ao governo do Estado do Acre, que através da Fundação de Cultura Elias Mansour proporcionou a nossa ida até o encontro”, disse o presidente da Academia Acreana de Letras, Clodomir Monteiro.

Além das palestras, o encontro também proporcionou exposição de obras literárias de autores dos dois países.


FONTE: http://www.agencia.ac.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=15332&Itemid=26

terça-feira, 22 de março de 2011

I Econtro Cultural da Fronteira Brasil/Bolívia, dias 8 e 9 de abril, Guajará-Mirim (RO).



A Academia de Letras de Rondônia, ACLER, encerra nesta quinta-feira, 31, as inscrições para participação no I Encontro Cultural da Fronteira Brasil/Bolívia, a se realizar dias 8 e 9 de abril em Guajará-Mirim, promoção da ACLER conjuntamente com a Academia Guajaramirense de Letras, AGL, Da Sociedad de Escritores de Guayaramerin, SEG e participação da Academia Acreana de Letras, AAL. A inscrição é feita só através do e-mail aclerencontrodeescritores@gmail.com.

O Encontro terá palestras na tarde de sexta-feira, 8, e durante o dia 9, sábado, no campus da UNIR/Guajará-Mirim, mas a cerimônia de abertura acontecerá na noite de sexta, na sede do Clube Boinas Rajadas, com apresentações de grupos folclóricos e cantores da Bolívia e do Brasil.


Para realização do evento as entidades promotoras contam com o apoio do Governo do Estado de Rondônia, Fundação Universidade de Rondônia – UNIR, Prefeitura de Guajará-Mirim, Câmara Municipal de Guajará-Mirim e 6º Batalhão de Infantaria de Selva, além da participação da Academia Acreana de Letras, Sociedad de Escritores de Riberalta, SER, e Sociedad de Escritores de Bolívia, SEB.


O tema central do Encontro é “A Literatura, a História e a Cultura que nos unem”, assunto que será abordado pelo acadêmico Dante Ribeiro da Fonseca durante a abertura oficial do evento.


Na sexta-feira à tarde serão duas palestras: às 14 horas o escritor José Luiz Duran, da SEG, sobre o tema Cultura de los pueblos amazonicos da Bolívia; em seguida o palestrante será o escritor Matias Mendes, da ACLER, com o tema “A Fronteira e seus herois”. No sábado às 8 horas o expositor será o professor Alberto Ferrufino, da SEB, abordando “Cultura e Literatura de La Província Vaca Diez” e, encerrando a manhã, será a vez do historiador Carlos Alberto Alves de Souza, da Academia Acreana de Letras, sobre “Tradição e fontes orais na história e na literatura amazônica”. À tarde de sábado haverá apenas uma palestra, Hugo Leigue abordando “Amazonia Boliviana”.

sexta-feira, 18 de março de 2011

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Imagens